Hospital Santa Cruz realizou IV Seminário para marcar as comemorações de seus 80 anos

Junho/2019

Hospital Santa Cruz realizou IV Seminário para marcar as comemorações de seus 80 anos

Com a presença de autoridades governamentais, representantes de diversas universidades e instituições japonesas, o HSC promoveu dois dias de palestras com foco na área médica e tecnologia na saúde

Nos dias 1, no Hotel Intercontinental, no Jardins, e 4 de junho, no auditório do HSC, na Vila Mariana, ambos em São Paulo, o Hospital Santa Cruz (HSC) promoveu o IV Seminário Hospital Santa Cruz de Cooperação Científica Brasil e Japão em celebração aos 80 anos da Instituição. 

No dia 1 de junho, o evento reuniu 250 participantes, com autoridades governamentais, e contou com a parceria das Universidades japonesas de Tsukuba, Kyushu, Osaka e do Imagawa Group, além de representantes da USP (Universidade de São Paulo) e Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Na ocasião, também foi lançado o livro Laços: a Família Imperial e o Brasil, que registra a visita de todos os membros da Família Imperial do Japão ao Brasil desde 1959, com autoria e organização de Masato Ninomiya e Sonia Regina Longhi Ninomiya.

Em seu discurso de abertura, o Sr. Renato Ishikawa, presidente do Hospital Santa Cruz, destacou a história da Instituição e apresentou um panorama atual do HSC, que conta com parcerias de universidades e instituições japonesas. “O Hospital Santa Cruz nasceu em 29 de abril de 1939 para atender às necessidades médico-hospitalares dos primeiros imigrantes japoneses, que chegaram ao Brasil em 1908. Atualmente, é um hospital que conserva suas raízes e oferece medicina de alta qualidade em seu Pronto atendimento geral, ortopédico e oftalmológico, ambulatório com mais de 40 especialidades, centro de diagnóstico, centro cirúrgico geral e de oftalmologia com equipamentos de última geração, além de sua área exclusiva para realização de check-up. Nossas parcerias com o governo japonês, a JICA – Agência de Cooperação Internacional do Japão e as universidades japonesas de Tsukuba, Kyushu e Osaka nos ajudam a ampliar nosso conhecimento científico e tecnológico”, declarou.

Entre as autoridades, marcaram presença no evento o Sr. Akira Yamada, embaixador do Japão no Brasil; o Sr. Yasushi Noguchi, cônsul geral do Japão em São Paulo; o Sr. Vitor Sampaio, chefe de gabinete do prefeito Bruno Covas; o Sr. Paulo Nishikawa, deputado estadual; os vereadores Aurélio Nomura e George Hato, que homenagearam e presentearam o Sr. Renato Ishikawa, presidente do HSC, no evento, e médicos convidados; o Sr. Roberto Nishio, presidente da Fundação Kunito Miyasaka; o Sr. Jorge Yamashita, vice-presidente do Bunkyo; o Sr. Yasuo Yamada, presidente do Kenren; e o Sr. Hiroshi Sato, representante da JICA São Paulo.

O Sr. Yasushi Noguchi, cônsul geral do Japão, e o Sr. Akira Yamada, embaixador do Japão no Brasil, falaram sobre a importância do Hospital Santa Cruz para a sociedade. “O HSC enfrentou adversidades ao longo dos seus 80 anos, mas com a reorganização da comunidade nikkei, no início dos anos 90, foi possível unir esforços e superar as dificuldades, o que foi determinante para impulsionar o crescimento da Instituição para continuar prestando serviços de qualidade tanto para pacientes nikkeis e brasileiros”, destacou.

O Prof. Kyosuke Nagata, reitor da Universidade de Tsukuba, parabenizou o HSC e destacou a importante cooperação Brasil-Japão, por meio de intercâmbio científico e tecnológico. Ele falou sobre os avanços da Medicina no Século 21 e a Sociedade 5.0, que promete aliar o uso de sistemas inteligentes para resolver problemas como o envelhecimento da população e apresentou diversas pesquisas realizadas na universidade japonesa, como o uso da robótica, o projeto genoma, além da protonterapia.

O evento também contou a participação do Prof. Manoel Jacobsen Teixeira, da Universidade de São Paulo (USP) e médico neurocirurgião, que destacou a importância da aplicação da medicina individualizada, que foca inteiramente no paciente, seus desconfortos, dores e características para sugerir os melhores tratamentos. Destacou ainda o uso de recursos de tecnologia de ponta, como a inteligência artificial, para que sejam acessíveis e contribuam com os tratamentos médicos oferecidos por profissionais devidamente treinados.

O Prof. Osamu Ohneda, responsável pelo laboratório de células-tronco e medicina regenerativa da Faculdade de Medicina da Universidade de Tsukuba, destacou os estreitos laços estabelecidos entre o HSC e a Universidade, mencionando a importância que este intercâmbio tem proporcionado à população brasileira por meio do conhecimento científico e tecnológico. A Profa. Dra. Emilia Sato, mestre em reumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e membro da Academia Brasileira de Reumatologia, falou sobre o futuro da Educação em Saúde no Brasil e as regras que foram atualizadas pelo Conselho Nacional do Ensino Superior do Ministério da Educação, em 2014. O Dr. Koshiro Nishikuni, neurocirurgião do HSC e médico consultor da JICA, encerrou o ciclo de palestras do primeiro bloco e comentou sobre os avanços da medicina. Ele citou o estudo do DNA das bactérias realizado pela Universidade de Osaka em cooperação científica com hospitais nikkeis do Brasil, tendo como ponto central o microbioma humano.

O Dr. Julio Yamano, diretor técnico do HSC, abriu a segunda parte do evento e mediou o debate sobre os avanços nos tratamentos médicos japoneses nas áreas de otorrinolaringologia e cardiologia. Destacando a contínua cooperação entre Brasil e Japão, o Dr. Wilson Morikawa Jr., neurocirurgião, e a Dra. Camila Rodrigues, radioterapeuta, ambos do Hospital Santa Cruz, falaram sobre a experiência no Hospital Universitário da Universidade de Tsukuba, em fevereiro de 2019, em que participaram de diversos treinamentos com foco na protonterapia para o tratamento de alguns tipos de cânceres. O programa faz parte do Sakura Science Plan, do Ministério da Educação do Japão.

A Dra. Sandra Watanabe, médica reumatologista e diretora do HSC, foi a mediadora do tema ‘Avanços da Tecnologia nos Cuidados da Saúde’, que contou com a participação do Sr. Yoshiaki Imagawa, presidente do Imagawa Group, do Sr. Takehiko Imagawa, vice-presidente, e do Sr. Tadashi Fujiwara, gerente de planejamento do grupo, que falaram sobre o projeto desenvolvido para assistência aos idosos no Japão, que oferecem mais qualidade de vida. Na sequência, a Dra. Marta Imamura, da USP, apresentou o Instituto Lucy Montoro de reabilitação do Governo do Estado de São Paulo, que conta com a parceria do Hospital das Clínicas de São Paulo e da USP. O Instituto oferece tecnologia avançada, entre softwares, equipamentos até sistemas robóticos para a reabilitação dos pacientes.

Já no dia 4 de junho, o IV Seminário do Hospital Santa Cruz de Cooperação Científica Brasil e Japão reuniu cerca de 80 participantes e foi apresentado pelo Dr. Leonel Fernandes, superintendente do HSC, contando com três painéis sobre cardiologia, otorrinolaringologia e neurocirurgia. O primeiro foi moderado pelo Dr. Julio Yamano, diretor técnico da Instituição, e teve a participação do Dr. Moise Dalva, do HSC, que falou sobre o cenário das cirurgias cardíacas e do perigo das reoperações. O Dr. Yuji Hiramatsu, vice-reitor do Hospital da Universidade de Tsukuba, explicou sobre as técnicas de cirurgias cardíacas pediátricas e os implantes de coração no Japão, com a utilização de corações artificiais em 90% dos casos.

O segundo painel focou nos tratamentos cirúrgicos realizados via nasal. Moderado pelo Dr. Andrei Borin, do HSC, contou com a explicação da Dra. Livia Dechen, do HSC, sobre a anatomia nasal e os acessos para intervenções cirúrgicas via cerebral. O Prof. Shuho Tanaka, da Universidade de Tsukuba, apresentou casos com diferentes intervenções cirúrgicas que podem ser realizadas via nasal, como a retirada de um tumor ocular, devido à parceria de médicos otorrinolaringologistas e neurocirurgiões. Ele detalhou a técnica de cirurgia no crânio por meio de endoscópio nasal, mais assertivo e menos invasivo. Em seguida, o Prof. Dr. Aldo Stamm, da Unifesp, explicou sobre a evolução das imagens com alta tecnologia que temos atualmente, fundamentais para o bom diagnóstico. Apresentou também as microcirurgias nasais que estão sendo realizados no Brasil para tratar tumores, como na região da hipófise.

A evolução do tratamento do acidente vascular cerebral (AVC) foi o tema do último painel, moderado pelo Dr. Fabio Yamamoto, da USP, pelo Dr. Koshiro Nishikuni, neurocirurgião do HSC, e contou com a explanação do Dr. Aiki Marushima, da Universidade de Tsukuba, que falou sobre a importância da trombectomia mecânica aliada ao t-PA para o tratamento do AVC e estudos de células-tronco, destacando a medicina regenerativa. Ele destacou ainda o uso do exoesqueleto HAL, aparato robótico desenvolvido na universidade japonesa, que ajuda na reabilitação e na regeneração de pacientes que tiveram problemas de movimentos, como o que ocorre nos casos de AVC.

Menu